08/01/12

O amor


O amor não tem outro desejo senão
o de atingir a sua plenitude.
Se, contudo, amar é precisar ter desejos,
sejam estes os vossos desejos:
De se diluir no amor e ser como um riacho
que canta a sua melodia para a noite
De conhecer a dor de sentir ternura de mais
De se ferir por vossa própria compreensão do amor
De sangrar de bom grado e com alegria
De despertar na aurora com o coração alado
e agradecer por um novo dia de amor
De descansar ao meio-dia e meditar sobre o êxtase do amor
De tornar à casa de noite, com gratidão
E de adormecer com uma prece no coração, para o ser bem amado,
e nos lábios uma canção de bem aventurança 

Khalil Gibran
in O Profeta

Sem comentários:

Enviar um comentário