18/11/16

Lágrimas ocultas


     Florbela Espanca


Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...

E a minha triste boca dolorida,
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Amor, que o gesto humano na alma escreve



Amor, que o gesto humano na alma escreve,
Vivas faíscas me mostrou um dia,
Donde um puro cristal se derretia
Por entre vivas rosas e alva neve.

A vista, que em si mesma não se atreve,
Por se certificar do que ali via,
Foi convertida em fonte, que fazia
A dor ao sofrimento doce e leve.

Jura Amor que brandura de vontade
Causa o primeiro efeito; o pensamento
Endoudece, se cuida que é verdade.

Olhai como Amor gera, num momento
De lágrimas de honesta piedade,
Lágrimas de imortal contentamento.

Luis Vaz de Camões

07/11/16

Minha Canção






Minha canção te envolverá com sua música,

como os abraços sublimes do amor.

Tocará o teu rosto como um beijo de graças.



Quando estiveres só, se sentará a teu lado e te falará ao ouvido.

Minha canção será como asas para os teus sonhos

e elevará teu coração até o infinito.



Quando a noite escurecer o teu caminho,

minha canção brilhará sobre ti como a estrela fiel.

Se fixará nos teus lindos olhos e guiará teu olhar até a alma das coisas.



Quando minha voz se calar para sempre,

minha canção te seguirá em teus pensamentos.



 Tagore

14/06/16

Anjo És...

Anjo és tu, que esse poder 

Jamais o teve mulher, 
Jamais o há-de ter em mim. 
Anjo és, que me domina 
Teu ser o meu ser sem fim; 
Minha razão insolente 
Ao teu capricho se inclina, 
E minha alma forte, ardente, 
Que nenhum jugo respeita, 
Covarde-mente sujeita 
Anda humilde a teu poder. 
Anjo és tu, não és mulher. 


Anjo és. Mas que anjo és tu? 
Em tua fronte anuviada 
Não vejo a c'roa nevada 
Das alvas rosas do céu. 
Em teu seio ardente e nu 
Não vejo ondear o véu 
Com que o sôfrego pudor 
Vela os mistérios d'amor. 
Teus olhos têm negra a cor, 
Cor de noite sem estrela; 
A chama é vivaz e é bela, 
Mas luz não têm. - Que anjo és tu? 
Em nome de quem vieste? 
Paz ou guerra me trouxeste 
De Jeová ou Belzebu? 



Não respondes - e em teus braços 
Com frenéticos abraços 
Me tens apertado, estreito!... 
Isto que me cai no peito 
Que foi?... - Lágrima? - Escaldou-me... 
Queima, abrasa, ulcera... Dou-me, 
Dou-me a ti, anjo maldito, 
Que este ardor que me devora 
É já fogo de precito, 
Fogo eterno, que em má hora 
Trouxeste de lá... De donde? 
Em que mistérios se esconde 
Teu fatal, estranho ser! 
Anjo és tu ou és mulher? 



Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas' 



21/05/16

natureza linda!!!

Trabalho extraordinario

17/04/16

O Nosso Livro




Livro do meu amor, 
do teu amor, Livro do nosso amor, 
do nosso peito... 
Abre-lhe as folhas devagar, com jeito, 
Como se fossem pétalas em flor. 
Olha que eu outro já não sei compor 
Mais santamente triste, mais perfeito. 
Não esfolhes os lírios com que é feito 
Que outros não tenho em meu jardim de dor! 
Livro de mais ninguém! Só meu! Só teu! 
Num sorriso tu dizes e digo eu: 
Versos só nossos mas que lindos sois! 
Ah! meu Amor! 
Mas quanta, quanta gente Dirá, 
fechando o livro docemente: 
«Versos só nossos, só de nós os dois!...» 

Florbela Espanca

Creio nos anjos que andam pelo mundo


creio nos anjos que andam pelo mundo, 
creio na deusa com olhos de diamantes, 
creio em amores lunares com piano ao fundo, 
creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes; 
creio num engenho que falta mais fecundo de harmonizar 
as partes dissonantes, creio que tudo é eterno num segundo, 
creio num céu futuro que houve dantes, 
creio nos deuses de um astral mais puro, 
na flor humilde que se encosta ao muro, 
creio na carne que enfeitiça o além, 
creio no incrível, 
nas coisas assombrosas, 
na ocupação do mundo pelas rosas, 
creio que o amor tem asas de ouro. amém. 


Natália Correia