15/03/12

A arte de gostar de animais...

"Não basta apenas gostar de animais, devemos ter coragem para usar a nossa voz em favor daqueles que não verbalizam!"

Os nossos animais...

"OLHE NO FUNDO DOS OLHOS DE UM ANIMAL E, 
POR UM MOMENTO, TROQUE DE LUGAR COM ELE. 
A VIDA DELE SE TORNARÁ TÃO PRECIOSA QUANTO A SUA 
E VOCÊ SE TORNARÁ TÃO VULNERÁVEL QUANTO ELE. 
AGORA SORRIA, 
SE VOCÊ ACREDITA QUE TODOS OS ANIMAIS
MERECEM NOSSO RESPEITO E NOSSA PROTECÇÃO, 
POIS EM DETERMINADO PONTO ELES SÃO NÓS 
E NÓS SOMOS ELES."
                                                                                                                               

Em vias de extinção


O número de tigres de bengala diminuiu drasticamente, neste último século, passou de 100 000 para os 4 000. Uma das principais ameaças é a perda do seu habitat, que foi sendo destruído pelo Homem. A caça ilegal, a diminuição de presas e o comércio de partes do tigre para o fabrico de medicinas orientais, também contribuíram para a extinção deste bonito animal. Grande parte dos tigres de bengala existe em áreas protegidas da Índia. Em muitos países foram organizadas equipes de combate à caça ilegal e está em vigor uma lei que proibição ao comércio de produtos provenientes do tigre. 

Liberdade


É muito oportuno explicar que um animal pode viver bem deixando-se arrastar pelos seus instintos — mas o homem não. O homem é um ser especial porque é um ser livre. Precisa de ser educado para viver de acordo com aquilo que é. Nem tudo o que ele pode fazer — roubar, mentir, drogar-se — ele deve fazê-lo. Não porque não seja livre, mas porque não lhe convém. Não se pode confundir — e muitas vezes confunde-se — a liberdade com a espontaneidade. O homem, para agir bem, deve pensar antes de actuar — coisa que os animais não fazem.
Por isso, a educação moral não tira nem diminui a liberdade do homem — muito pelo contrário! Dá-lhe luz para que — se ele quiser — possa viver de acordo com aquilo que é. É verdade que o saber moral é difícil e delicado. Mas também é verdade que vale a pena esforçar-se por obtê-lo. Porquê? Porque é o saber mais valioso para o homem. É o saber que o ensina a usar bem a sua liberdade.
(Rodrigo Lynce de Faria) 

Beleza Feminina

Não há cosmético mais eficiente para manter a beleza feminina do que a felicidade.
(Marguerite Power)

Magnificas imagens da natureza.Adoro!!!

Universos Paralelos

12/03/12

11/03/12

Entrevista a Paul de Grauwe: "Os portugueses é que estão a pagar aos alemães"


Paul de Grauwe tem uma visão diferente da crise da zona euro. São os contribuintes portugueses que estão a dar dinheiro aos alemães e não o contrário. Professor de Economia Internacional da Universidade Católica de Lovaina e conselheiro da Comissão Europeia, admite que Portugal nunca beneficiou realmente com o euro, mas desaconselha uma saída. Para o BCE não tem meias-palavras: ou são incompetentes ou estão a ser guiados por objectivos obscuros.
Em um ano, a zona euro estará mais integrada ou perto da separação?
É difícil saber. Estamos perante uma bifurcação. Podem acontecer duas coisas: uma implosão completa, com recessão e crises bancárias, ou os Estados membros e o BCE decidem fazer o mais correcto e evitam o colapso. Sou optimista; acredito no segundo cenário, mas não excluo o outro.
Mas o fim do euro é plausível?
A zona euro continua frágil e pode desintegrar-se, mas temos os meios para o evitar. Tudo depende do empenho de quem está no poder. Se colapsar é porque as pessoas em posições-chave o quiseram.
Algum país beneficiaria com isso?
Não. No longo prazo, talvez. Países como a Grécia poderiam desvalorizar a moeda, o que estimularia a economia. Mas seria muito disruptivo, principalmente para a banca. No curto e médio prazo, ninguém beneficiaria.
Nem a Alemanha?
Países como a Alemanha seriam os verdadeiros prejudicados. Essas economias beneficiaram antes da crise, com a acumulação de excedentes externos e forte crescimento. Durante a crise têm sido os que mais ganham. Estão a endividar-se quase de graça. A Alemanha pede emprestado de graça e depois empresta-vos, com um bom lucro, não é? Na Alemanha ouve-se que os contribuintes pagam aos portugueses, mas é o contrário. Os portugueses é que pagam aos alemães. Se tudo colapsar, perderão imenso.

Amazing!

Vamos tratar do nosso planeta...



Todos nós sabemos que a preservação do ambiente está ao alcance de todos nós, e um pequeno gesto pode mudar o mundo! 
O ambiente precisa da nossa ajuda, e todos nós podemos contribuir para um futuro melhor. O nosso habitat natural, precisa de nós!
Algumas ideias e medidas que podem melhorar o nosso nível de vida colectivo. Depois da consciencialização vem a acção.

Poupar energia:
- Trocar as lâmpadas convencionais por lâmpadas eficientes. Elas consomem até 75% menos energia e duram até dez vezes mais.
- Optar por electrodomésticos com o selo da Energy Star, que recomenda aparelhos eficientes em termos energéticos.
- Reduzir os gastos de electricidade (desligar a luz sempre que se sai da sala, não deixar aparelhos ligados em modo stand-by, retirar o carregador do telemóvel da tomada quando não estiver a ser usado, etc.)
Reduzir emissões:
- Andar mais vezes de transportes públicos.
- Organizar um esquema de partilha de carro com pessoas amigas que façam o mesmo trajecto diário de casa para o trabalho.
- Quando parar por mais de dois minutos no trânsito, desligar o motor do seu carro.
Poupar água:
- O autoclismo fazer fazer pequenas descargas quando não haja necessidade de o fazer na maior descarga. 
- Instalar um temporizador na casa-de-banho para controlar o tempo passado no duche.
- Fechar a torneira enquanto ensaboa as mãos, escovar os dentes ou fazer a barba.
Reciclar:
- Separe o lixo e recicle o maior número possível de materiais.
- Dê preferência à utilização de produtos biodegradáveis e recicláveis. Não utilize aerossóis que contenham clorofluorcarbonetos (CFC).
- Opte por pilhas recarregáveis. As pilhas, depois de usadas, libertam metais no ambiente, como o zinco, o mercúrio, o cádmio, etc., que produzem efeitos nocivos ao ecossistema. 
Vamos todos tratar da nossa casa com todo o respeito e carinho, pois é ela que nos sustenta em tudo o que necessitamos para viver.