26/01/17

Oh! Chama de amor viva




“Oh! Chama de amor viva

que ternamente feres

De minha alma no mais profundo centro!

Pois não és mais esquiva,

Acaba já, se queres,

Ah! Rompe a tela deste doce encontro.


Oh! Cautério suave!

Oh! Regalada chaga!

Oh! Branda mão! Oh! Toque delicado

Que a vida eterna sabe,

E paga toda dívida!

Matando, a morte em vida me hás trocado.

Oh! Lâmpadas de fogo

Em cujos resplendores

As profundas cavernas do sentido,

– que estava escuro e cego, –

Com estranhos primores

Calor e luz dão junto a seu Querido!


Oh! Quão manso e amoroso

Despertas em meu seio

Onde tu só secretamente moras:

Nesse aspirar gostoso,

De bens e glória cheio,

Quão delicadamente me enamoras!”

São Joao da Cruz

FIZ A CAMA DE AÇUCENAS





Fiz a cama de açucenas
macias como o cetim
os lençóis eram poemas
guardados dentro de mim
vesti rosas de toucar
nos cabelos meti laços
nem vi o dia chegar
esquecida nos teus braços


No tapete feito de heras
sulcados de margaridas
floriam primaveras
a perfumar nossas vidas
misturei flores e beijos
num fio ao meu pescoço
dei asas aos meus desejos
loucuras dum sonho moço


Mudaram-se as estações
murcharam as açucenas
mas nos nosso corações
nasceram novos poemas
despi rosas desfiz laços
guardei a minha saudade
só presa nos teus abraços
me sinto em liberdade


Alice Queiroz

GIGANTES E ANÕES




Donde vimos para onde vamos
o que somos pouco importa
importa se na passagem
algo de bom semeamos
durante a nossa viagem


Escondemos sentimentos
guardamos dentro de nós
alguns sonhos pertinentes
que se fossemos diferentes
ganhariam corpo e voz


Julgamos ser importantes
mas em tantas ocasiões
somos medrosos distantes
deixamos de ser gigantes
somos apenas anões


Precisamos uns dos outros
todos nós somos iguais
neste mundo de loucos
mesmo juntos somos poucos
e o mundo grande demais

Alice Queiroz

A Beleza é uma Construção Cerebral.




A beleza consome e dá de consumo, 
vem de um lado que ninguém conhece, 
constrói-se com os minutos, com o tempo de degustação,
há pessoas que foram ficando bonitas pela repetição, 
vamo-las vendo e vamos percebendo traços novos, 
traços diferentes, como se o rosto tivesse vários rostos em si 
uma matrioska estética, temos vários rostos no nosso, 
ou vários olhares no que olhamos,
a beleza é um processo de inteligência 
uma construção cerebral.

Pedro Freitas Chagas