10/12/10

TU





 TU

Enlouqueces-me maravilhas-me atrapalhas-me
apaixonas-me cegas-me confundes-me.
Tu inspiras-me. Tu…
Quero tanto de ti e tão próximo que anseio que fosses
o ar, o chão, as paredes, tudo.

Que tudo o que tocasse fossem os teus braços.
Que tudo o que sentisse fossem os teus lábios.
Como quando fecho os olhos e tudo o que não vejo és tu.
Como quando não durmo e tudo o que sonho és tu.
Contigo não consigo respirar. Sem ti não consigo viver.


Quero estar tão dentro de ti que nem a luz do dia exista para mim.
Quero abraçar-te tanto que todo o mundo colapse e desapareça
num pequeno ponto entre os meus braços.

Toca-me com as tuas mãos.
Faz-me desaparecer com a tua pele.
Sufoca-me na tua língua.
Arrasta-me pelo ar com o teu perfume.
Mata-me de vez.

Odeio-te porque existes.
Odeio-te porque não estás aqui.
Amo-te tanto.


De repente tomo consciência da tua ausência e faz-se noite.
Porque não me respondes quando te falo?
Porque não te sinto quando estendo o braço?
Porque te escondes!

TU
Se fosses chuva, do céu só cairiam pérolas…
E até o chão gritaria de prazer



( Luis Rodrigues )

06/12/10

Soneto de Amor




 Não me peças palavras, nem baladas, 
 Nem expressões, nem alma...Abre-me o seio,
 Deixa cair as pálpebras pesadas,
 E entre os seios me apertes sem receio.

 Na tua boca sob a minha, ao meio,
 Nossas línguas se busquem, desvairadas...
 E que os meus flancos nus vibrem no enleio
 Das tuas pernas ágeis e delgadas.

 E em duas bocas uma língua-unidos, 
 Nós trocaremos beijos e gemidos,
 Sentindo o nosso sangue misturar-se.

Depois...abre os teus olhos, minha amada!
Enterra-os bem nos meus; não digas nada... 
Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce!

                                                        
José Régio