11/09/10

LÁGRIMAS OCULTAS

Lágrimas Ocultas

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida ...






E a minha triste boca dolorida,
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!






E fico, pensativa, olhando o vago ...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim ...





E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!





( Florbela Espanca )



05/09/10

Os sacrificios criam laços eternos.

Por que é que os meus filhos não são para mim o mesmo que as outras crianças? Não é apenas por serem do meu sangue; é, principalmente, porque me desgastei imenso para os tornar saudáveis, fortes, íntegros; porque cuidei deles; porque tive paciência; porque passei algumas noites sem dormir; porque me afligi, me preocupei e chorei. Há tanto de mim naquilo que eles são que, de algum modo, vivo neles e a sua vida é a minha vida.
São a minha razão de viver.